Logo

Logo

#Conto003

#OSogroAlpha #Parte2/2 #Threesome #Bareback #ContoErótico #tony333 


Depois que meu sogro me deu aquela surra de pica já tinha passado dois meses e as notícias que tinha dele eram as que minha mulher me dava, nada de importante. Bem passado isso continuávamos levando nossas vidas e nos preparando para o casamento. Rotinas do dia a dia já estavam definidas e uma delas era a sexta das meninas e a sexta dos meninos. Era um acordo na qual a sexta à noite ela saia com as amigas e eu com os amigos. Sem cobranças, nem ciúmes, uma pausa para as amizades e sempre fazíamos isso toda a semana. Foi numa sexta dessas quando o sogrão aparece de surpresa enquanto nos arrumávamos para sair. Resolveu fazer uma visita surpresa. 

Ele não nos deixou cancelar nossos planos, disse que ficaria em casa tranquilo e nós poderíamos ir fazer o que tínhamos planejado quando minha esposa teve a ideia dele ir comigo para noite dos meninos. Não vi nada demais e disse que ele poderia vir, na verdade gostava dele, tinha respeito, e depois que ele me comeu acho que passei a gostar mais ainda. Não sabia se tinha sido coisa de uma única vez, ou se as coisas que ele falou sobre meus cunhados eram verdadeiras. Sei que continuava achando ele um tesão, e ele era mesmo, é gente boa.

Pois bem, deixamos ela no lugar que encontraria com as amigas e seguimos o caminho passamos por uma praça e ele pede que pare para comparar cigarros. Estaciono e ele vai até a banca e volta fumando. Saltei do carro para esperar por ele. Ele encosta fumando e conversamos rapidamente sobre a violência na cidade. Ao terminar de fumar ele me pede a chave do carro dizendo que está com vontade de dirigir. Seguimos caminho e o sogrão volta para casa, não entendi nada. Ele estaciona na garagem e avisa: Ligue para os seus amigos e diga que você não vai porque seu sogro chegou de surpresa.

Enquanto voltávamos para o apartamento liguei e avisei que não íamos e foi aí que caiu a minha ficha, eu estava a alguns minutos de levar uma pirocada do sogrão. Ao entrarmos em casa o coroa já foi tirando a camisa, a calça e os tênis e se sentando pelado no sofá. Me olhou sacudindo a rola mole: Vou ter que dar a ordem é?

Vale o comentário, um homem na idade dele, com o corpo dele é coisa rara, o coroa é tesudão demais! Me ajoelhei entre as pernas dele e comecei a mamada.

“Isso, mama certo essa piroca”

Bateu com ela forte na minha cara.

“Daqui a pouco ela vai estar alojada no seu cu, e se prepara, hoje tu vai levar aquela pirocada de deixar as pernas tortas, estou com tensão de cu!”

Só pensei, pronto hoje que ele me aleja. Mamei, engoli, fiz tudo que podia com a pica dele na minha boca. Quando ele estava satisfeito avisou que era hora de tomar no cu. Eu já estava resignado e abaixei a bermuda ficando de quatro no sofá. Ele cuspiu nu meu cu, enfiou dois dedos e sem muita conversar posicionou o cabeção da marreta e empurrou para dentro me fazendo se contorcer e gemer. Não deu muita bola para isso é foi cravando centímetro por centímetro, lentamente para eu sentir a pica dele rasgando caminho cu a dentro até estar totalmente engatado.

“Pronto, o pirocão está alojado no seu cu, agora hora de arregaçar ele”

E foi nesse momento que meu celular tocou, o toque de minha esposa. Ele disse para não atender, mas quando falei quem era mudou de ideia.

“Ok, atende, mas não deixa ela perceber que tem uma tora gigante alojada no seu cu”

Atendi com ele enterrado dentro de mim e tentei disfarçar que não estava sendo empalado pelo pai dela. Ela pedia para ir buscar ela, porque devido a problemas diversos só uma amiga tinha aparecido e elas decidiram desmarcar e ir embora. Disse que estaria indo. Ele ouviu tudo e me desempalou.

“Porra justo hoje que eu ia deixar você falando fino de tanto tomar no cu, que merda, e ainda vou sair sem gozar. Pelo menos você se deu bem, mamou rola e ainda tomou no cu”

Nos vestimos e fomos buscar ela e voltamos para casa.

No dia seguinte a minha cunhada ficou sabendo que o pai estava lá e foi passar o sábado com a gente. Era a única irmã dela que eu conhecia e já tinha alguma amizade com o esposo dela. Mas depois de ser enrabado pelo sogrão ainda não o havia encontrado. Jader é um loirão de 1,85, uns 80kg, olhos azuis, um cara bem mais bonitão do que eu, não seria difícil imaginar que o sogrão não perdoaria aquele rabo. Mas até então eu não sabia como era aquela situação.

Chegaram lá em casa, as mulheres organizaram o almoço, ficamos na sala de papo bebendo e vendo TV. Lá pelas 16hs as mulheres inventaram um carteado e meu sogro que deu a ideia de os homens irem ao bar ver o jogo que ia passar no canal fechado que eu não tinha. Jader topou e as mulheres não pareceram se importar. No caminho do carro o sogrão pegou as chaves dizendo que ele ia dirigir.

Entramos no carro e seguimos e qual não foi a surpresa quando ele seguiu para um motel não muito longe de minha casa, fiquei totalmente sem graça e fez-se um silêncio total no carro. Ele estacionou e ele mesmo desceu e fechou a garagem entrando no quarto. Olhei desconcertado para Jader e saímos do carro, ele pegou no meu ombro dizendo: Relaxa a primeira vez sempre é mais complicada.

Entramos no quarto e o sogrão já estava nu, deitado no meio da cama, acendendo um cigarro.

O pau dele ainda estava mole, ele olhou para Jader dizendo: Vai, mata a saudade, tem tempo que tu não mama na rola.

Jader sem nenhuma vergonha deitou entre as penas do sogrão atacando a pica dele. O coroa olhou para mim: “Sim, tá esperando o que? Convite? Vai puta! Cai de boca!

Meio sem jeito me posicionei ao lado de Jader que já chupava a pica meia bomba e comecei a chupar a rola do sogrão junto com ele. Foi a primeira vez que compartilhei uma pica na vida e me deu um tesão absurdo. Ficamos os dois ali, chupando juntos, a pica, os ovos. Olha que presente o sogrão me deu! Foi uma delícia compartilhar aquela pica. Batia com ela na cara dele, e batia na minha cara, puta merda, que mamada deliciosa, e ficava ainda mais perfeita com ele falando, “bora putas, mamem com vontade, isso minhas vadias, as cachorras mamam gostoso” etc., etc., etc...

Sei lá quanto tempo ficamos curtindo o pirocão duro, só sei que por mim ficava até mais, porém o sogrão queria cu.

“Vamos Jader, senta aí na pica, agora, já mamaram muito. Já você espera aí, depois que ele sentar vai ser sua vez”

Ele levantou tirou a roupa e foi sentando no mastro do coroa, me impressionei com a facilidade que aquela jeba entrou no rabo dele. Entendam a pica do coroa é gigante! Uns 20cm calibre grosso e sumiu fácil no cu dele. O cara já devia estar acostumado a dar para o coroa. E ele cavalgou gostoso no picão. Pulava sem parar, estava adorando ver e doido para ser minha vez de sentar, ainda bem que não demorou. Ele mandou Jader sair da pica e me mandou sentar. Tentei sentar, mas não tive a mesma facilidade que ele, não estou acostumado ainda com o mastro do coroa. Senti ele me rasgando outra vez, quando consegui encaixar toda, comecei a cavalgar, devagar no início e quando relaxei mais, mais rápido. E ficamos alternado sentadas na pica do coroa, que só ficava lá deitado com os braços cruzados atrás da cabeça falando putaria e dando ordens e fumando um cigarro vez ou outra. O sogrão era em definitivo um macho alpha. 

A pica dele facilmente dava conta de nós dois. Ele não dava menção de gozar, apenas deixava a gente se alternar na pica. Entre mamar e ficarmos sentando foi um pouco mais de uma hora de atividade na pica dele e ele tranquilo. Foi só nesse momento que ele mandou pararmos de sentar na pica dele e voltar a mamar porque ele, finalmente ia gozar. Deitamos novamente entre as pernas dele e ele gozou na cara dos dois é ainda mandou um lamber da cara do outro a gala dele. Ele gozou de maneira estranha, sério, sem gemer, nem parecia que gozou. Mas ao terminar se levantou.

“Segundo dia seguinte que não gozo direito. Porra duas putas e uma rola só é levam mais de uma hora para tirar leite! Agora a gente tem que ir embora e nem vou poder gozar de novo! Foda isso”

Já estávamos a muito tempo fora e para não levantar suspeita tínhamos mesmo que voltar e o coroa mostrou que estava mesmo chateado, queria fuder mais e é claro que ele foderia. Jader que falou não sei se com sinceridade ou para encher o ego dele:

“Mas você quer o que sogro? Uma pica gigante com uma potência do caralho para só nós dois? Porque não chamou os outros? Você quer que só nós dois faça trabalho de três, quatro, com uma pica dessas? Ajuda a gente sogro!”

Sei que independente da razão o sogrão parece ter aceito e foi tomar um banho, ele passou por mim rindo.

“A gente deu sorte hoje, curtimos uma pirocada de boa, geralmente o cara é animal, saio de perna bamba de tanto levar vara”

Aproveitei para perguntar se era verdade que os genros todos caiam na pica dele e a resposta foi enfática:

“Claro! E o que ele gosta mais é isso aqui que a gente fez, dois ou três juntos. Quatro nunca vi acontecer até porque a gente era em três. Agora com você que vamos ver, mas assim pelo que ele faz com três, não vejo um quarto fazer diferença não.”

Logo em seguida ele voltou, nos arrumamos e voltamos para casa. Desse dia em diante fiquei louco, doido pelo retorno do sogrão e para ver rolando com todos os genros.

No comments

Powered by Blogger.